CBD em Lyon: Dispensadores de CBD instalados na cidade

Distribuidores CBD instalados na cidade The Swiss Hemp's Novo

No Rhône (em Lyon em particular), várias máquinas de venda automática de produtos CBD (cannabidiol) estão em funcionamento e muitas outras estão em preparação, para vender este produto legalmente, para não ser confundido com a cannabis, que é proibida.

Depois das máquinas de venda de baguetes e pizzas, aqui estão as primeiras máquinas de venda automática para canabidiolNão confundir com a sua prima ilegal, a Cannabis.

No Rhône, pelo menos três dispensadores já foram instalados em Caluire-et-Cuire, Genay e Givors. Outra máquina deverá ser instalada em breve no centro comercial Part-Dieu, oferecendo assim uma visibilidade muito maior a estes produtos. Todos eles foram criados por Eric Perrin, um empresário do departamento que também é enfermeiro e que criou a empresa WP Services para este fim.

CBD, um produto legal de acordo com os seus apoiantes

Nestas máquinas, o que se vende é um produto fabricado a partir de CDB, autorizado em França. O canabidiol é uma das substâncias activas encontradas no cânhamo, mas não tem os efeitos muito "especiais" e perigosos da cannabis, uma vez que não contém quaisquer drogas psicotrópicas. Mais precisamente, a cannabis contém um nível muito elevado de tetra-hidrocanabinol (THC). Este nível permanece legal desde que não exceda 0,2% do produto vendido. A CDB está, portanto, incluída nesta autorização com, segundo os seus representantes, efeitos relaxantes e desestressantes para combater a ansiedade, reumatismo, lesões ou angústias.

De barras de chocolate a chupa-chupas e pastilhas

Hoje é possível vender todas as formas de produtos CBD: barras de chocolate, mas também gomas de mascar, mel, chupa-chupas, cremes e unguentos, bebidas ou, para aqueles que preferem supositórios... Mas o que funciona melhor são óleos e infusões, para serem colocadas nas bolas de chá. A receita é muito simples: deixa-a mergulhar em água quente durante alguns minutos e desfruta.

E o gosto? "Depende do indivíduo. Você ainda pode sentir o cheiro do produto"explica Eric Perrin. "Não é de todo um medicamento, nem é uma indicação terapêutica. Deve sempre pedir primeiro o conselho do seu médico. Os estudos já demonstraram os efeitos benéficos para a saúde. É um produto para o bem-estar, para o relaxamento. Nós não vamos além disso."

Regras judiciais para permitir a venda

O Tribunal de Cassação decidiu na quarta-feira 24 de junho que a CDB poderia ser vendida na França se fosse produzida em outro país europeu. Além disso, o mais alto tribunal do país anulou uma decisão contra o gerente de uma loja em Grenoble que vendia produtos à base de canabidiol. Os envolvidos na indústria, que aguça os apetites económicos, saudaram esta "nova bofetada na cara" infligida ao governo neste caso complexo.

As autoridades francesas fecharam dezenas de lojas que vendem esta "cannabis leve" nos últimos anos, mas depararam-se com regulamentos europeus em tribunal, que o permitem. Em novembro de 2020, o Tribunal Europeu de Justiça rejeitou a proibição da CDB na França, enfatizando a inocuidade desta molécula e, portanto, que ela não pode ser considerada um narcótico ou um medicamento.

No caso da loja Grenoble, o Tribunal de Cassação, que ordenou um novo julgamento em Paris, também justificou a sua decisão em nome do respeito pelo princípio da livre circulação de mercadorias na União Europeia (UE), argumentando que a venda da CDB num Estado-Membro não pode ser proibida se for legalmente produzida noutro Estado-Membro.

Os juízes do Tribunal de Recurso de Grenoble "não investigaram, como lhes foi pedido, se a CDB descoberta na loja dirigida pelo réu foi legalmente fabricada em outro estado da UE", explicou o Tribunal. Mas também deixou claro que não resolveu a questão substantiva de saber se a França poderia proibir validamente a posse e a comercialização da CDB no seu território em nome do objetivo de proteger a saúde pública.

Depois que o Tribunal Europeu de Justiça rejeitou a proibição da CDB em novembro, o governo francês revisou sua posição e anunciou que autorizaria produtos baseados na CDB, mas que a venda de flores e folhas secas, consideradas mais prejudiciais, continuaria proibida. Mas esta última disposição também está sendo contestada pela Suprema Corte francesa, que decidiu na quarta-feira que a CDB deveria "ser permitida a comercialização mesmo que seja extraída da planta inteira", ou seja, incluindo as flores e as folhas.

A decisão é mais uma "bofetada na cara da atual linha governamental", disse a associação L630, especializada em direito das drogas, em comunicado, dizendo que o mais alto tribunal francês "acaba de impor uma linha rígida de lei da qual o governo, sem dúvida, não poderá mais se afastar". "É uma bofetada no rosto do governo, que mantém, contra os interesses da indústria francesa, e hoje contra as decisões da sua própria instituição judicial, um desejo de proibir a flor que só é ditada por motivos políticos e eleitorais", concordou Aurélien Delecroix, presidente do sindicato do cânhamo.

CBD, aplicado diretamente no seu smartphone

Enquanto se aguarda um quadro legislativo definitivo, os produtos baseados na CBD continuam a desenvolver-se, com aplicações para que os smartphones encontrem facilmente todos os pontos de venda, sejam eles automáticos ou não. Esta é uma ótima maneira de relaxar e recuperar um pouco de atitude zen a qualquer momento. Estes aplicativos permitem que os usuários façam seus pedidos de forma rápida e clara, sem ter que ir a lugar algum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.